25 de jul de 2011

Futebol tem de ser tratado sério.

Matéria retirada do site trivela.uol.com.br a respeito da profissionalização da gestão do futebol e os modelos de composição jurídica dos clubes, escrito por Carlos Eduardo de Souza, advogado especializado em direito desportivo.


Futebol tem de ser tratado a sério.

O futebol é, como sempre escrevemos por aqui, uma atividade econômica altamente rentável, que movimenta milhões em dinheiro, das mais diversas moedas, seja em transferências de atletas, investimento em marketing, projeção econômica de marcas, enfim, diversas formas a serem observadas em diferentes centros. Porém, a gestão profissional de tamanho volume de recursos e a regulação desse mercado contemporâneo nos negócios envolvendo o esporte (tratado como ramificação dentro do mercado do entretenimento de um modo geral) geram distorções.
No continente europeu, existem diversas formas de gestão de clubes – e nesses modelos de gestão encontramos, de certa forma, as respostas para o sucesso ou fracasso, em termos financeiros. Existe desde a simples gestão séria e responsável de um clube social, assim como a adoção de um modelo de gestão empresarial dentro de uma asso ciação, ou ainda a adoção de formas societárias, abertas ou fechadas ao mercado financeiro.
As experiências mostram que não existe um modelo societário básico, que tenha 100% de sucesso em gerir de forma satisfatória uma entidade de prática desportiva, no futebol. Porém, geralmente o sucesso de uma gestão vem sempre acompanhado do profissionalismo dentro dos cargos que existem nestes clubes, totalmente especializados no ramo específico da bola. Além disso, como já dissemos em colunas anteriores, não existe sucesso gerencial em clubes desacompanhados de uma organização igualmente séria na organização dos campeonatos oficiais que esses clubes disputam, pois os campeonatos são as verdadeiras “vitrines” para estes “produtos” (clubes), e sua credibilidade no mercado é aderente ã dos clubes, de forma recíproca inclusive.
Porém, são necessários mecanismos de controle econômico, e certamente uma cultura legislativa eficiente para fazer essa engrenagem funcionar, sem a deturpação dos objetivos nos negócios do futebol. Na maioria dos países que sediam as grandes ligas na Europa, foram criadas legislações específicas diferenciando a gestão esportiva dos demais modelos societários, devido às suas particularidades – porém, sempre com ferramentas de fiscalização na detecção de malversação de verbas ou má-fé na administração dos negócios.
Ou seja, o primeiro passo para os clubes realmente se inserirem no mercado global do futebol é trazer credibilidade aos investidores externos, para aos poucos profissionalizarem integralmente suas gestões, e a partir daí pensarem em alçar vôos maiores. O mercado de consumidores brasileiros ainda não foi totalmente atendido de forma satisfatória, ainda há muitos pontos que podemos avançar, e cabem aos gestores dos clubes darem o primeiro passo para que a cultura do amadorismo seja substituída pela cultura do profissionalismo, dentro do futebol brasileiro.

#VoltaAtlético

8 de jul de 2011

Futebol é Paixão e... negócios.



Primeiramente deixaremos claro que acima de qualquer negócio está a instituição, o Clube Atlético Alto Vale, todos os torcedores e apaixonados por futebol na região. A paixão é o que move o futebol, porém, para que aconteça o retorno do Clube, não podemos deixar de elucidar a questão do negócio que o futebol se tornou nos últimos anos, que através de uma administração competente o sucesso e a rentabilidade são certos, também analisando a visibilidade do futebol, incomparável com outras modalidades, por ser a grande preferência e paixão nacional e mundial.


Por um momento deixaremos as paixões de lado e analisaremos economicamente a viabilidade do retorno do futebol profissional em Rio do Sul, mostrando que hoje o futebol deixou de ser um investimento de risco e para um time sobreviver e crescer precisa revelar talentos para o mundo da bola e não faltam exemplos disso, até mesmo muito mais perto da gente como imaginamos, vide o Atlético Hermann Aichinger, que como, por exemplo, a transação de apenas um jogador, o Leandro Damião, receberá o retorno de seus anos de investimentos, sem contar tantos outros atletas despontando por clubes no Brasil onde o Atlético tem participação em seus direitos econômicos, portanto, o mais importante agora, é que os futuros investidores vejam o negócio do futebol com outros olhos, com a possibilidade de um grande retorno em médio e longo prazo e com isso o Clube voltará a alimentar a paixão dos torcedores da região do Alto Vale. Como demonstrado no post anterior, o segredo de tudo isto está na organização e elaboração de uma categoria de base estruturada e mão de obra qualificada para oferecer as condições necessárias para a formação de um atleta profissional.

Uma questão importante, onde é necessária a aplicação para a volta do Atlético é a criação de um fundo de investimentos, a criação do Sócio-investidor, onde todo o valor aplicado será estipulado uma porcentagem nos direitos econômicos de cada jogador em formação do clube, é como se um investidor adotasse um atleta, oferecendo as condições para o seu desenvolvimento pessoal e profissional e posteriormente este atleta terá seus direitos econômicos partilhados entre os investidores de acordo com os seus investimentos, sempre deixando uma parte maior para o clube para o fortalecimento do mesmo.

As empresas que explorarem a imagem do clube com patrocínio participará da mesma forma desses resultados obtidos, não esquecendo da grande visibilidade que o Atlético terá na região do Alto Vale do Itajaí e Santa Catarina, através de exposição na mídia e por seus torcedores; porém, na gestão do clube, principalmente do departamento de futebol não será possível a participação desses investidores, devesse criar um departamento autônomo e profissional, onde os funcionários trabalharão como em uma empresa, buscando o bem da instituição, sem seus próprios interesses.

No próximo post analisaremos a reativação do clube e como deve funcionar o seu modelo organizacional, podendo voltar simplesmente como Associação desportiva sem fins lucrativos, criando uma empresa somente para o Departamento de Futebol ou então a transformação em Sociedade econômica o chamado Clube empresa, que é o principal modelo europeu e de pequenos clubes que vem dando certo no Brasil, além da nossa atual legislação abordar o tema como de necessidade na transformação dos grandes clubes brasileiro no mesmo modus operandis.

Volta Atlético.

21 de jun de 2011

Categorias de Base de um Clube Formador.


Este é o principal foco nessa futura reestruturação do clube, a revelação de jogadores é a principal fonte de renda de um clube de futebol de pequeno e médio porte, é daqui que virá o retorno dos investidores; como mesmo o nome diz, é a base de tudo, deve existir um trabalho consistente e transparente para gerar frutos em médio e longo prazo, é necessário pessoal especializado para qualificar esses jovens futuros profissionais.

Um planejamento em conjunto com todas as diretorias do clube é necessário, analisando as condições de infra-estrutura desejada, incluindo os profissionais e materiais de trabalho, e previsão orçamentária, aliadas ao profissionalismo e credibilidade das pessoas envolvidas neste planejamento. Não podemos analisar a formação na questão somente para o futebol profissional, devemos entender que a própria categoria de base pode ser fonte de receita. Estabelecer metas para vendas e promoções dos atletas; possuir um grande número de atletas da casa no time principal é fundamental, e um contato entre os jogadores da base com o time profissional; ter atenção e formar uma proteção contra possíveis agentes e atravessadores de jogadores que podem acabar interferindo diretamente no patrimônio do clube que são seus atletas; prestar esclarecimentos e assistência jurídica aos jogadores, mostrando clareza na elaboração de contrato profissional ou de aprendizado. É normal, principalmente em clubes grandes a preocupação com resultados imediatos, deixando em segundo plano uma estratégia de longo prazo junto das categorias de base.

Na questão dos profissionais a serem contratados serão necessários técnicos, coordenadores, preparadores físicos, auxiliares, olheiros, fisiologistas, massagistas, preparador de goleiros e roupeiros. É imprescindível um acompanhamento médico, odontológico, nutricional, fisioterapêutico e psicológico destes atletas, ajudando de todas as formas para um retorno profissional e pessoal, principalmente uma ajuda na educação do atleta, buscando parcerias com instituições de ensinos para o desenvolvimento intelectual dos mesmos, incluindo aulas de idiomas para que se venha a acontecer uma negociação internacional, este atleta tenha uma adaptação tranquila; mecanismos de verificação dos resultados gerados por eles nos treinamentos e nos jogos das categorias, além de indicadores de resultados do próprio departamento de base.

A categoria de base deve iniciar com um trabalho com jogadores do pré-infantil com 12 anos em diante, com o infantil(sub-15), juvenil(sub-17) e juniores(sub-20); para seguir de acordo com novas legislações é necessária a comprovação de gastos específicos na formação de cada jogador, deve existir uma preocupação para o crescimento psicológico, físico, tático e técnico de cada atleta, além de estruturar tudo, existindo uma boa comunicação até com a própria família para uma co-gestão em sua educação. Outros pontos de necessidade e obrigatoriedade estão na disponibilização de meios de transportes, alimentação e alojamentos com boas condições, também é importante parcerias com fundações municipais da região para indicar futuras promessas para testes a serem realizados pelo clube, além dessas peneiras que devem ser feitas periodicamente com avaliação da comissão técnica, elaborando um bom modo para efetuar esse processo seletivo, uma ótima alternativa é buscar parcerias com os clubes amadores de bairros e cidades da região e escolinhas de futebol.

Na questão tática e técnica é importante trabalhar com o atleta várias situações de jogos, com treinadores atualizados com os novos meios de trabalho, alinhar suas habilidades com as variações táticas possíveis no futebol, não esquecendo a versatilidade exigida nos jogadores atuais e analisar as posições carentes do nosso futebol e do elenco profissional para estimular atletas a trabalharem esta parte.
O acompanhamento físico segue com a mesma importância, sempre trabalhando preservando a saúde e sua forma natural de desenvolvimento, aplicar um sistema de preparação física específica para cada jogador analisando suas características e necessidades.

Voltando a uma questão burocrática; é importante oferecer contrato profissional aos maiores de 16 anos e de aprendizagem aos menores, entrando nesses vínculos as porcentagens de direitos econômicos de cada Sócio-investidor, ou condomínio de investimento que ajudarão na formação do atleta e serão abordados futuramente.
Outra contextualização jurídica a ser tratada em um próximo momento é em relação aos direitos e deveres que existem na relação de clube formador e atleta, e analisar o recente e justo protecionismo a esses clubes, regulamentado na nova alteração da Lei Pelé, 12.395/11, e estes serão os assuntos dos próximos posts. Fiquem ligados!

Eô Eô Atlético!

Volta Atlético!

16 de jun de 2011

Um pouco de nossa história e a excelente campanha no Catarinense de 2000.



Um pouco da história do Atlético Alto Vale

Em 21 de outubro de 1995 foi fundado o Clube Atlético Alto Vale em Rio do Sul/SC, um clube derivado dos antigos Rio do Sul Esporte Clube e a Juventus Atlético Clube que conquistou o título Sul-Brasileiro de 69, e os vices-campeonatos estaduais nos anos de 73 e 76 além de alguns confrontos com os gigantes do futebol brasileiro no Estádio Alfredo João Krieck, nesta nova empreitada o clube contava com o apoio do Atlético Paranaense que também serviu de fonte de inspiração para a criação do símbolo, uniforme e cores do Alto Vale, a estréia aconteceu em um amistoso contra o Avaí onde perdeu em casa por 1 a 0.
No ano seguinte, o clube alcançou o título da divisão de acesso do Campeonato Catarinense e automaticamente uma vaga para a elite do futebol catarinense, sua melhor colocação na elite do Catarinão aconteceu no ano de 2000 (segue campanha abaixo) com o título do returno e a perda nas semi-finais para o Joinville, naquele trágico jogo da volta do Alfredão
Na temporada de 2003, a equipe acabou fazendo uma péssima campanha e infelizmente foi rebaixada à 2ª divisão, após 6 anos da Divisão de elite. No 1º de Março de 2003, o Clube Atlético Alto Vale jogou e perdeu (2x3) para o Tiradentes de Tijucas. O encontro foi no Estádio Dr. Hercilio Luz em Itajaí, porque o Estádio Sebastião 'Tatão' Vieira Peixoto em Tijucas, não foi liberado para o Catarinão daquele ano. O jogo foi válido pela 10ª e última rodada da 1ª Fase do Grupo B do Catarinão daquele ano. 
A campanha do Tucano não foi nada boa. 10 jogos, apenas 3 empates e 7 derrotas. 11 gols marcados e 22 sofridos. Ao lado do Tubarão (pelo Grupo A), foi rebaixado para a 2ª Divisão de Futebol Profissional de Santa Catarina. 
O rebaixamento representou o fim do futebol em Rio do Sul. O Estádio Alfredo João Krieck - Alfredão, ficou vazio. Os torcedores e apaixonados por futebol em toda a região do Alto Vale, desde então, ficaram órfãos de um time profissional. 


Campanha na série A do Campeonato Catarinense de 2000.

1º Turno:
Alto Vale        0-1       Tubarão
Figueirense      0-0       Alto Vale
Alto Vale        3-2       Chapecoense
Fraiburgo        0-1       Alto Vale
Alto Vale        0-0       Criciúma
Joinville           3-1       Alto Vale
Alto Vale        0-0       Lages
Avaí                1-0      Alto Vale
Marcílio Dias  2-2       Alto Vale
Alto Vale        1-0       Brusque
Alto Vale        3-1       Kindermann

Figueirense campeão do primeiro turno

Classificação final do 1º turno

Equipe                              PTS  J  V  E  D  GP GC SG   
 1 Figueirense                    26   11  8   2   1  29  13   16  
 2 Avaí                              24   11  7   3   1  19   9    10  
 3 Marcílio Dias                 20   11  6   2   3  23  16    7  
 4 Joinville                         19   11  6   1   4  22  13    9  
 5 Criciúma                        16   11  4   4   3  14   8     6  
 6 Alto Vale                       16   11  4   4   3  11  10    1  
 7 Tubarão                          14   11  4   2   5  12  13   -1  
 8 Chapecoense                  12   11  3   3   5  16  20   -4  
 9 Fraiburgo                        11   11  3   2   6  11  17   -6 
10 Kindermann                    9    11   2   3   6  14  26  -12
11 Brusque                          8    11   2   2   7   8   16   -8 
12 Lages                              7    11   1   4   6  11  29  -18

2º Turno:
Tubarão           0-1       Alto Vale
Alto Vale        1-2       Figueirense
Chapecoense   0-1       Alto Vale
Alto Vale        0-0       Fraiburgo
Criciúma         4-0       Alto Vale
Alto Vale        2-1       Joinville
Lages              0-1      Alto Vale
Alto Vale        1-0      Avaí
Alto Vale        2-1       Marcílio Dias
Brusque          1-2       Alto Vale
Kindermann    1-1       Alto Vale

Atlético Alto Vale Campeão do 2º Turno

Equipe                              PTS J   V   E   D  GP  GC  SG   
1  Alto Vale                      23   11  7   2   2   12    10   2  
2  Joinville                         22   11  7   1   3    20    9   11 
3  Marcílio Dias                 21   11  6   3   2   22    13   9 
4  Fraiburgo                       21   11   6   3   2   16   15   1 
5  Criciúma                        18   11   5   3   3   26   15   11
6  Tubarão                         17   11   5   2   4   19   10    9 
7  Avaí                               17   11  5   2   4   13   10    3 
8  Figueirense                     17   11   4   5   2   24   17    7
9  Chapecoense                  12   11   3   3   5    9    14   -5
10 Brusque                          8    11   2   2   7   11   30  -19
11 Kindermann                    7    11   1   4   6   11   20   -9
12 Lages                              0    11   0   0  11   8    28  -20

Semifinal

Marcílio Dias  0-0       Figueirense                                        
Joinville          3-0       Alto Vale                                          

Alto Vale        2-3       Joinville                                             
Figueirense     1-2       Marcílio Dias                                    

Final

Marcílio Dias  2-2       Joinville                                             
Joinville           2-1       Marcílio Dias                         
Joinville campeão catarinense 2000  

Classificação Final
01 Joinville
02 Marcílio Dias
03 Figueirense
04 Alto Vale
05 Avaí
06 Criciúma
07 Brusque
08 Fraiburgo
09 Chapecoense
10 Tubarão
11 Kindermann
12 Lages

Eô Eô Atlético!

Volta Atlético!

14 de jun de 2011

1º Passo - Despertando a vontade do torcedor para a volta do Atlético

Neste primeiro momento o objetivo principal está diretamente ligado a população e a torcida riossulense e de toda a região, que será essencial para essa possível volta do Clube Atlético Alto Vale, nossa missão é propagar a ideia através de meios de comunicação, principalmente via Internet, e contamos com o apoio dos amigos internautas para uma difusão desta bandeira; que nada mais é do que mostrar exemplos de clubes de cidades pequenas que deram certos, discutir como se deve proceder na administração de um clube, de como cada um, inclusive a sociedade pode contribuir para essa volta, debater sobre os novos meios de gestão esportiva e elaborar um projeto para que se acabar gerando a devida publicidade em nossa região, um futuro investidor que goste e conheça do assunto, já ter em mãos algum material e ajuda para colocá-lo em prática. 

Alguns pontos à serem abordados, que serão postados posteriormente, estão relacionados à reativação do clube; ações sociais; como montar um departamento de futebol; a importância de um planejamento para as categorias de base do clube e a necessidade de um trabalho em longo prazo; como formar parcerias com escolinhas de futebol, associações de moradores, e fundações municipais de Rio do Sul e região; a busca por parcerias privadas e como gerar resultados publicitários e retorno para as mesmas, a lei de incentivo fiscal para o investimento no esporte de base; a volta do futebol profissional, e um projeto sócio-torcedor para que a torcida tenha voz ativa não só na arquibancada, mas também dentro do clube, para discutir suas opiniões em busca de um objetivo comum.

Sabemos que futebol não se faz da noite para o dia, também não se faz sem dinheiro e está mais do que comprovado que não se faz sem um bom planejamento e com pessoas sérias, por isso, a missão do blog, é ver na comunidade se realmente existe essa vontade da volta do Atlético, está relacionada também a encontrar as pessoas certas de nossa região que tenham interesse num projeto sério e consistente que será elaborado e discutido aqui, para apresentar aos possíveis investidores, lideranças da cidade e a aqueles que já foram direta ou indiretamente ligados ao Atlético, que abram a cabeça e vejam que não é impossível voltar com o clube, depende de um projeto sério, e da vontade da população, peço ajuda para mostrar que a vontade não falta e a ajuda para elaborar os principais pontos para a reativação e revitalização de um clube, o grande obstáculo encontrado por possíveis investidores é o medo de um alto investimento sem retorno algum, e estamos aqui para mostrar que não é preciso de um alto investimento inicial e que também sendo bem direcionado pode sim gerar frutos.

Não esquecendo que se trata de um Clube Atlético, podendo ser implementado incentivo a outros esportes, principalmente numa ajuda ao esporte olímpico da cidade que possui o espaço necessário para seu desenvolvimento no Estádio Alfredo João Krieck e a parceria com os times já montados da cidade, de futsal, vôlei, assim como trabalho que existe com o basquete e outros esportes.

O esporte é profissional, então a gestão não pode ser amadora, e com certeza possuímos gente qualificada em nossa região para tal, analisaremos a importância de que uma equipe de futebol profissional tem na sociedade, a fonte de saúde, a transmissão de valores que o esporte gera, a educação, a importância que o esporte tem na formação do homem na vida em sociedade e o que pode gerar para a cidade e região em questão de desenvolvimento o esporte de alto nível. O futebol é parte da cultura do país e da cidade, lembremos da saudosa Juventus e dos bons anos do nosso Atlético; e de lá para cá muita coisa se transformou no futebol brasileiro e mundial.

Hoje existe uma gama de profissionais relacionados ao futebol profissional para uma gestão correta, equilibrada e transparente, profissionais dos mais variados ramos, por isso é importante a participação de todos, além dos principais; jogadores, técnicos, assistentes, preparadores físicos, treinadores de goleiros, fisioterapeutas, agora tem a necessidade de profissionais de todas as áreas, como médicos, psicólogos, advogados, nutricionistas, publicitários, jornalistas, em todas as diretorias de um clube, como de comunicação, patrimônio, marketing, jurídica, social entre outras. 
Analisaremos também todas as formas de receitas que um clube pode e deve explorar como, patrocínios, receitas de bilheteria, comercialização de jogadores, direitos de TV, venda de produtos, sócios, apoio das entidades administrativas e outras parcerias.

A primeira coisa a ser feita é dar condições aceitáveis de treinos para as categorias de base, assim como todo o cuidado para o desenvolvimento de cada jogador, e possibilitar a participação em campeonatos regionais e estaduais das categorias de base, lembrando que hoje a FMD Rio do Sul está desenvolvendo um trabalho legal com as categorias de base, porém esbarra na falta de reconhecimento e incentivo na cidade.

Essa é a ideia, espero agradar grande parte da população que gosta de futebol e sente saudades do Atlético.

Segue alguns links interessantes, relacionados ao Atlético;
Uma entrevista com o principal investidor do Atlético Hermann Aichinger, Sr. Genésio Ayres Marchetti, sobre os futuros investimentos de reestruturação que fará com a venda de Leandro Damião e Julinho, por ser o clube formador, além de 30% dos jogadores, possui 5% de todas as futuras transferências, um belo exemplo de resultados:

Uma lembrança no Site oficial do Flamengo do amistoso realizado com a Juventus:

Uma homenagem ao Pedrão, ex-Juventus, para relembrarmos um pouco de nossa história:

Post sobre todo este tempo sem futebol profissional em Rio do Sul:

Outra homenagem para um antigo ídolo do futebol Riossulense, o Liminha no quadro Que fim levou? Site do Milton Neves:

Se quiserem relembrar o hino do Atlético, está disponível lá embaixo no blog.

Um agradecimento ao http://riodosulesportes.blogspot.com/, que divulgou o blog em sua página.

Volta Atlético!

Eô Eô Atlético!

11 de jun de 2011

Objetivo do Blog do Clube Atlético Alto Vale - Rio do Sul - SC

Este espaço será destinado às memórias do Clube Atlético Alto Vale, para todos os amantes do futebol da Região de Rio do Sul, relembrar histórias do clube e sua torcida que se perderam nesse curto tempo de 2003 para cá.

O Clube fundando em 21 de outubro de 1995, Campeão da Divisão de Acesso do Campeonato Catarinense de 1996 e Campeão do Returno do Campeonato Catarinense de 2000.

Além disso o principal foco deste espaço será um debate para resgatar o CA Alto Vale, sabemos que quando se fala de futebol a primeira questão que vem à tona, é a respeito do alto valor de investimento para formar uma equipe e dar continuidade, porém, viemos acompanhando ao longo dos últimos anos, uma evolução na gestão esportiva no Brasil que com um trabalho a longo prazo podemos reativar e revitalizar o Clube, num projeto auto sustentável, lembrando que com as Olimpíadas e Copa do Mundo no Brasil nos próximos anos se viu um aumento até em incentivos fiscais para o investimento no esporte de base, e é bem por aí que deve seguir esse pensamento, começar de baixo, com a base e ao longo do tempo se fortalecendo colocando objetivos a serem traçados.

Se fizermos um bom movimento via internet e posteriormente ocupando todos os meios de comunicação, o torcedor resgatando aquela paixão, a vontade de ir ao Alfredão gritar Eô Eô Atléticooo; não há duvidas que aparecerão incentivos privados e também uma parceria com a fundação municipal para o resgate do Clube.  Possuímos todos os aspectos necessários de uma cidade para conseguir manter uma equipe de futebol profissional tranquilamente, vejamos as nossas empresas, nosso estádio muito bem localizado, a média de público que havia na época do CA Alto Vale, principalmente naquele campeonato de 2000, acaba cativando grande parte da população que gosta de futebol mais não assisti partidas por seus times serem todos de grandes centros, além de uma população em torno de 300 mil habitantes na região do Alto Vale do Itajaí, podendo revelar vários jogadores nascidos na própria região, desde que um trabalho bem elaborado nas categorias de base.

Só depende de nós, da nossa vontade de ter um time para torcer em nossa cidade novamente, vemos cidades com o poderio econômico muito menor que a de Rio do Sul figurando entre as séries A e B do futebol catarinense, o que falta é vontade e pessoas que tenham tempo e essa determinação, que são apaixonadas pelo esporte ou simplesmente gostaria do desenvolvimento da cidade em esportes profissionais.

Vamos participar, discutir, divulgar, encontrar meios de resgatar o nosso Tucano do Alto Vale, aceitamos contribuições na gerência do blog, criamos também o www.twitter.com/@caaltovale em breve Facebook e Orkut do Clube para tentar difundir entre a população da região, não importa sua área de atuação de algum modo você pode contribuir, faremos um resgate do time pelo povo, pela torcida, com todos contribuindo.

Qualquer sugestão, opinião, vontade de erguer esta bandeira pode ser enviada nos comentários e assim como no e-mail atleticoaltovale@gmail.com

Eô Eô Atlético!